Jacarepaguá



jacarepagua-igreja

Um bairro em franco desenvolvimento, muitas construções, instalações de empresas, comercio, atualmente com muito trânsito em suas ruas, quem acompanha e conhece o bairro verifica a demolição de antigas casas com ótimos terrenos e imediatamente a construção de um edifício multifamiliar.
Jacarepaguá possui uma área territorial de 7.579,64 ha, sendo o 4° maior bairro em área do município. Em 2004, sua população estimada era 100.000 habitantes.

No entanto, é um bairro em processo de desmembramento, pois importantes áreas do que sempre se entendeu historicamente como a parte principal de Jacarepaguá, com o tempo foram se desmembrando e tornando-se bairros próprios, como é o caso dos bairros Anil, Cidade de Deus, Curicica, Freguesia (Jacarepaguá), Gardênia Azul, Pechincha, Praça Seca, Tanque e Taquara, que junto com Vila Valqueire e o próprio Jacarepaguá, fazem parte da XVI Região Administrativa (R.A.) – Jacarepaguá – do município do Rio de Janeiro.

O que restou do antigo bairro de Jacarepaguá hoje são inúmeras localidades com nomenclaturas próprias, em geral loteamentos ainda recentes e que não foram ainda oficializados como bairros pela prefeitura, além da área onde existia o Autódromo e o Riocentro.

História

Conta o pesquisador e historiador Carlos Araújo em sua obra «Jacarepaguá de antigamente» como esteve o início de Jacarepaguá ligado à família Correia de Sá. O governador Salvador Correia de Sá deu a região como sesmaria em 1594 a seus dois filhos, Martim Correia de Sá, que foi também governador da cidade, e Gonçalo Correia de Sá.

O filho de Martim, Salvador Correia de Sá e Benevides (1601-1688) foi General e lutou pelos interesses portugueses contra os holandeses em Angola. Ocupou em três períodos o governo do Rio de Janeiro: 1637 a 1642, 1648 a 1649 e 1659 a 1660. Proporcionou grande desenvolvimento em suas terras de Jacarepaguá, ao vender muitas delas e auxiliar os compradores a fundar engenhos.

O desenvolvimento trouxe a criação, em 6 de março de 1661 pelo governador do Rio de Janeiro, João Correia de Sá, a Freguesia de Nossa Senhora do Loreto e Santo Antônio de Jacarepaguá, que seria a quarta do Rio de Janeiro. A primeira foi a de São Sebastião, instituída a 20 de janeiro de 1569, quatro anos após a fundação da cidade. A segunda em 1634, a da Candelária. E a terceira, em 1644, a de Irajá.

A sede inicial da Freguesia de Jacarepaguá foi a capela da Fazenda do Capitão Rodrigo da Veiga. A igreja matriz de Nossa Senhora do Loreto foi construída pelo Padre Manoel de Araújo. Na inauguração, houve festa à qual compareceram o governador do Rio de Janeiro D. Pedro de Melo, o prelado da província Manoel de Souza Almada e o Provedor Diogo Correia.

No final do século XVII, o Juiz de órfãos, Francisco Teles Barreto de Meneses, e sua mulher, D. Inês de Andrade Souto Maior, pentavós do Barão da Taquara, eram proprietários da Taquara. Ele foi contemporâneo do General Salvador Correia de Sá e Benevides.

No decorrer do século XVIII, a família Teles Barreto de Meneses expandiu muito seus domínios em Jacarepaguá, comprando engenhos até chegarem a ser os maiores donos de terras. A região na época era chamada «lanície dos onze engenhos» pois eram fábricas de produção de açúcar.

Em documento apresentado ao vice-rei D. José Luís de Castro (1744-1819), conde de Resende, o sargento-mor Sebastião José Guerreiro França narra que, em 1797, a freguesia de Jacarepaguá possuía 253 residências e população de 1.905 habitantes. O comércio era formado por três lojas de fazenda (armarinho), 70 vendas e mercearias, cinco açougues.

No inicio do século XIX, o café expandiu-se bastante na província do Rio. Em Jacarepaguá, foram criadas muitas fazendas para plantação, além de ser cultivado também nos solos férteis dos antigos engenhos de açúcar. O político brasileiro Francisco Maria Gordilho Veloso de Barbuda – marquês de Jacarepaguá, possuía terras ali. Muito amigo de D. Pedro I (1798-1834), ocupou diversos cargos de confiança no Governo, após a independência. É bem provável que o imperador em suas andanças pela região tenha visitado a fazenda do Marquês. O autor do Hino Nacional, Francisco Manuel da Silva (1795-1865), também tinha grande sítio em Jacarepaguá. O músico teria se inspirado no canto de um pássaro de sua chácara para compor o hino em 1831. Nesta década começaram a ser subdivididas as fazendas de café e a produção continuou nas propriedades menores.

No recenseamento de 1838, feito a mando do Ministro da Justiça Bernardo Pereira de Vasconcelos (1795-1850), Jacarepaguá totalizava 7.302 habitantes, dos quais 4.491 eram escravos. A freguesia era a de maior população escrava no município da corte.

A mais famosa família dos tempos colonial e imperial de Jacarepaguá foi a originária do primeiro juiz de órfãos do Rio de Janeiro, Diogo Lobo Teles Barreto de Meneses (1593-1658). O cargo de juiz de órfãos foi transmitido de pai para o primogênito por cinco gerações, como recompensa dos serviços prestados pela família. O filho de Diogo, Francisco Teles Barreto de Meneses (1625-1679), também juiz de órfãos, provedor da Santa Casa da Misericórdia, comprou o Engenho da Taquara em 1658. Luís Teles Barreto de Meneses (1656-1702) foi outro juiz de órfãos, provedor da propriedade. Seu sucessor Antônio Teles Barreto de Meneses (1682-1757) comprou o Engenho Novo, aumentando os bens da família em Jacarepaguá.

         Acesso através da Estrada Grajau Jacarepaguá

Seu primogênito Francisco Teles Barreto de Meneses (1733-1806), segundo com esse nome e Bisavô do Barão da Taquara assumiu o controle das terras pela morte do pai. Os domínios dos Teles eram imensos. O Dr. Francisco era casado bom Dona Francisca de Oliveira Brito, morta a 6 de dezembro de 1806. Ele morreu dias depois, a 13 de dezembro. Em 20 de abril de 1807, procedeu-se o inventário, ficando como inventariante a filha mais velha Dona Ana Inocência Teles de Meneses, casada com o sargento-mor João Alves Pinto Ribeiro. Os outros filhos do Dr. Francisco eram Luis Teles Barreto de Meneses, casado com Dona Maria Felicidade da Gama Freitas (avós do Barão da Taquara); D. Catarina Josefa de Andrade Teles, casada com Pascoal Cosme dos Reis; D. Maria Rosa Teles de Meneses, D. Mariana da Penha França Teles de Meneses e D. Escolástica Maria de Oliveira Teles. Os filhos dividiram as propriedades. Os dois principais engenhos ficaram sob o controle de duas irmãs e seus maridos: D. Ana Inocência e João Alves com o Engenho da Taquara e D. Catarina Josefa e Pascoal Cosme com o Engenho Novo de Jacarepaguá. Houve acirrada disputa entre os cônjuges das herdeiras para definir marcos das terras. A briga ficou conhecida como “guerra dos concunhados”. O conflito só terminou em 1839, mortos os casais.

Vista do bairro cortado pela Linha Amarela

Jacarepaguá é um bairro e uma região de classe média da Zona Oeste do Rio de Janeiro, localizado na Baixada de Jacarepaguá, entre o Maciço da Tijuca, a Barra da Tijuca e a serra da Pedra Branca, onde está localizado o Parque Estadual da Pedra Branca. Possui uma área territorial de 7.579,64 ha, sendo o 4° maior bairro em área do município. Em 2004, sua população estimada era 100.000 habitantes. No entanto, é um bairro em processo de desmembramento, pois importantes áreas do que sempre se entendeu historicamente como a parte principal de Jacarepaguá, com o tempo foram se desmembrando e tornando-se bairros próprios, como é o caso dos bairros Anil, Curicica, Cidade de Deus, Freguesia (Jacarepaguá), Gardênia Azul,Pechincha, Praça Seca, Tanque e Taquara, que junto com Vila Valqueire e o próprio Jacarepaguá, fazem parte da XVI Região Administrativa (R.A.) – Jacarepaguá – do município do Rio de Janeiro, sendo cortado pela linha amarela uma importante via da região .

Cidade de Deus

A origem da Palavra “Jacarepaguá” é um termo tupi que significa “enseada do lugar dos jacarés”, através da junção dos termos îakaré (jacaré), paba (lugar) e kûá (enseada) viu como é fácil.

Bairros dentro de Jacarepaguá

Anil
Camorim
Cidade de Deus
Curicica
Freguesia
Gardênia Azul
Jacarepaguá
Pechincha
Praça Seca
Tanque
Taquara

Em Jacarepaguá estão localizados o Parque Olímpico ( antigo – autodromo), o Barra Music, o Centro de Convenções do Rio, o Estádio Olímpico de Hóquei, o Hospital Sarah Kubitscheck, a HSBC Arena, Parque Aquático Maria Lenk , a cidade do Rock , bosque de Jacarepaguá a Vila Olímpica do Rio de Janeiro, entre outros.

 

Mapa da Região de Jacarepaguá
 


Exibir mapa ampliado
Fotos da região de Jacarepaguá
jacarepagua11
Ruas de Jacarepaguá
jacarepagua24
Praça Seca
jacarepagua26
Taquara

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>