Cosme Velho



É um bairro da zona sul da cidade do Rio de Janeiro, situado no sopé do morro do Corcovado e do morro de Dona Marta, ocupando a parte mais alta do vale do Rio Carioca. Antes conhecido como “Águas Férreas” tem como rua principal, a Rua Cosme Velho, que é a continuação da Rua das Laranjeiras. Na verdade, esses dois bairros poderiam ser um só, pois não existe nenhum acidente geográfico entre eles e suas histórias são estreitamente ligadas. A população do bairro é de classe média e média alta.

O Cosme Velho ainda guarda o charme dos Bairros marcados pelo passado, foi (ou ainda é) endereço de artistas,empresários, escritores e compositores como: Roberto Marinho,Machado de Assis, Manuel Bandeira, Euclides da Cunha, Austregésilo de Athayde, Alceu Amoroso Lima, Cecília Meireles, Jorge Mautner e muitos outros.

História do Cosme Velho


Um pouco de história do bairro do Cosme Velho, se desenvolveu às margens do Rio Carioca, desde 1567, quando as terras da região foram doadas em sesmaria aos membros da família de Cristóvão Monteiro, que abriram roças, edificaram casas e até um moinho de vento para beneficiamento dos cereais colhidos em suas plantações. No século XVII teve início a captação das águas do Rio para abastecimento da cidade e no século XX, o Rio foi coberto, restando dele alguns trechos a céu aberto, como podemos ver no Largo do Boticário. A importância do Rio Carioca foi fundamental, como fonte abastecedora de água potável para o Rio de Janeiro.

No tempo do Brasil Império, havia escravos “agueiros”, cuja função era levar água proveniente do Carioca em barris para uso de seus senhores. As águas então límpidas do rio eram recolhidas em ponto alto do vale, na região conhecida como Águas Férreas.

Posteriormente foi construído um aqueduto com a finalidade de levar a água até a Lapa, no centro, cuja memória é preservada através dos Arcos da Lapa.

A nascente do rio se encontra na região do Silvestre e suas águas eram captadas na “Mãe d´Água”, para abastecer o aqueduto do Silvestre. Essa região, com temperaturas amenas, era uma das preferidas pelos cariocas do século XIX.

A região das Águas Férreas, que engloba o atual bairro do Cosme Velho, ainda era conhecida por esse nome na primeira metade do século XX. Os bondes e ônibus tinham esse destino. Atualmente o nome Águas Férreas é apenas uma lembrança, já que o nome do bairro foi totalmente incorporado ao conhecimento da população.

O bairro recebeu este nome, Cosme Velho, em homenagem ao comerciante português Cosme Velho Pereira que, no século XVI, habitava a parte mais alta do vale do Carioca.

                    cosmeconsulado cosmesion


Pontos Turisticos do bairro do Cosme Velho


O bairro tem nítida vocação turística por sua antiguidade e tradição, contando ainda com muitos imóveis do tempo do império.

É no Cosme Velho que se situa a Estação de Ferro do Corcovado, da qual parte o trem do Corcovado, que leva turistas até o pico do Corcovado, onde está a estátua do Cristo Redentor, símbolo máximo da cidade e uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo. O bairro faz limite com os bairros de Santa Teresa, Laranjeiras, Botafogo e Alto da Boa Vista.

O Largo do Boticário, é composto de sete casas de estilo neocolonial da década de 1920. As casas foram construídas com material utilizado em construções do centro da cidade, que foram demolidas. Na entrada do Largo, há duas casas da primeira metade do século XIX.
É um famoso largo localizado no bairro do Cosme Velho da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil.

O acesso se dá por um estreito beco – o Beco do Boticário – que passa sobre uma pequena ponte sobre o rio Carioca.


O Largo era visitado com frequência por Dom Pedro II, em seus passeios a cavalo pelas florestas do Corcovado.
R. Cosme Velho, 822 .


A “Bica da Rainha” uma pequena fonte que recebeu este nome devido a Dona Maria “A Louca” , mãe de Dom João VI, procurava recuperar sua sanidade com a ajuda das águas do local.

O mais ilustre morador do Cosme Velho foi o escritor Machado de Assis. Não se encontra mais sua casa, que foi demolida para a construção de um edifício residencial, veja Bruxo do Cosme Velho.

Além dele também habitaram o bairro, Manuel Bandeira, Euclides da Cunha, Austregésilo de Athayde, Alceu Amoroso Lima, Cecília Meireles e vários outros escritores e figuras históricas.

 

     Mapa do Bairro de Cosme Velho


Exibir mapa ampliado

         Videos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>